Horário de Funcionamento : Segunda a Sexta - 07:00 às 17:00
  Contato : (27) 2104-6200

Resultados para: Engravidar

FIV: é possível escolher o sexo do bebê?

A escolha do sexo do bebê é uma prática proibida no Brasil de acordo com as regras do Conselho Federal de Medicina (CFM). ⠀

A única exceção é em casos em que os pais seja portadores de alguma doença hereditária ligada ao sexo, como a hemofilia, a síndrome do X Frágil e distrofia muscular de Duchenne. ⠀
Nesses casos, é realizado o Diagnóstico Genético Pré-implantacional para Aneuploidias (PGTA), por meio do qual há a identificação de todos os cromossomos sem anomalia, inclusive a identificação dos cromossomos sexuais. ⠀

Após a consulta de aconselhamento genético e acompanhamento do médico responsável, o casal pode decidir o sexo do embrião a ser transferido, e nesses casos, não exige solicitação judicial.⠀

Saiba mais

VARICOCELE uma causa de infertilidade masculina

Varicocele consiste na dilatação anormal das veias testiculares, principalmente após esforço físico. ⠀
Essa dilatação pode dificultar o retorno venoso provocando disfunção testicular e piora da qualidade do sêmen, podendo se tornar uma causa de infertilidade masculina.⠀

Se o paciente for diagnosticado com varicocele, e estiver com a produção de esperma comprometida, a cirurgia é a opção para corrigir a anomalia.

Muitos casos de infertilidade masculina são resolvidos dessa maneira. ⠀

A cirurgia é simples e, em poucos dias, o paciente retoma suas atividades normais.⠀

A varicocele não é doença grave. E se tratada corretamente, diante um diagnóstico precoce, o paciente não sofre nenhum dano na saúde! ⠀

Saiba mais

3 MITOS sobre congelamento de óvulos

O congelamento de óvulos é uma prática segura, que favorece mulheres que desejam adiar a gravidez e àquelas que sofrem com doenças e não querem abandonar o sonho da maternidade.

O congelamento de óvulos já é uma prática consolidada cientificamente, e desde os anos 2000 a medicina reprodutiva avança significativamente nessa área. ⠀

Mas percebemos que algumas dúvidas sobre o processo de congelamento surgem por aí, fazendo com que mitos sejam criados.⠀

A informação e o conhecimento são a melhor maneira de desmistificar o congelamento de óvulos.⠀

Atenção: se você tiver alguma dúvida ou quiser conversar sobre esse assunto, entre em contato conosco que vamos esclarecer dúvidas sobre os processos de reprodução assistida.⠀

 

Saiba mais

Doenças autoimunes X Fertilidade

Se o seu questionamento é: posso engravidar tendo uma doença autoimune?⠀
A resposta é SIM! ⠀

As doenças autoimunes tendem a reduzir a fertilidade, junto com a utilização de alguns medicamentos indicados para controlá-las.⠀

Felizmente, existem tratamentos na reprodução humana assistida que possibilitam a gravidez!

É importante relatar também que a gestação de uma mãe com doença autoimune deve ser rigorosamente acompanhada, pois pode haver maior risco para a gestante e para o bebê. ⠀
É sempre importante que a grávida redobre a atenção no período gestacional e fique atenta a qualquer sinal fora da normalidade para relatar ao médico que a acompanha.⠀

Lembre-se que cada caso é individualizado e deve ser tratado de maneira específica. ⠀

De qualquer forma, é importante fazer um acompanhamento com um especialista de confiança!

Saiba mais

Posso engravidar depois dos 45 anos?

A mulher possui uma vida reprodutiva limitada. Normalmente aos 50 anos está encerrada.⠀ ⠀
Uma gestação espontânea após os 45 anos, idade aproximada que uma mulher entra na menopausa, é extremamente rara.⠀

Mulheres que querem ter filhos com essa idade precisam iniciar um tratamento na clínica de fertilização. 🏳 Atualmente existem várias técnicas que podem permitir que uma gestação ocorra, até em casos mais complexos. ⠀

Por isso, é necessário que o especialista em fertilização inicie um diagnóstico da saúde da mulher, a fim de identificar as possibilidades e o tratamento mais adequado!⠀

Saiba mais

Gravidez Anembrionária

Gravidez anembrionária ou anembrionada acontece quando o saco gestacional está vazio, sem embrião dentro, também chamado de “ovo cego”. O óvulo foi fertilizado e implantado no útero, mas apenas a placenta e anexos embrionários se desenvolveram.⠀

É diagnosticado geralmente na primeira ultrassonografia.⠀

As perdas anembrionárias podem ser por falha genética durante a divisão celular, deficiência enzimática ou de hormônios essenciais nesta fase. Mas são associadas mais frequentemente com alterações cromossômicas, embora não seja uma explicação definitiva e generalizada.⠀

Todas as mulheres estão suscetíveis a abortos, porém, caso ele venha ocorrer mais de uma vez, é necessário buscar um profissional de reprodução humana para avaliar as possíveis causas de recorrência.⠀ ⠀
Felizmente, podemos contar com a evolução na medicina da reprodução humana assistida para auxiliar no diagnóstico correto para que as medidas necessárias sejam adotadas e aconteça uma gestação saudável.⠀

Saiba mais

Mini FIV

A Mini Fertilização In Vitro é uma técnica de reprodução assistida que se baseia no fornecimento de doses hormonais menores para o estímulo ovariano e na oferta de óvulos de melhor qualidade e em menor número.⠀

Comparando a técnica convencional e a mini FIV, percebe-se que a primeira necessita de uma maior quantidade de medicamentos para fornecer o ideal estímulo ovariano para a ovulação.⠀

Pela menor quantidade de medicamentos hormonais utilizados, a técnica mini FIV acaba sendo uma opção com menos custos.⠀

Na Reprodução Assistida é uma técnica considerada muito boa, pois, como a quantidade de óvulos fornecidos é menor e ao mesmo tempo de mais alta qualidade, a chance de haver uma alteração cromossômica diminui, assim como na FIV convencional.⠀

É opção mais segura para aquelas mulheres com 40 anos de idade ou mais que desejam engravidar, uma vez que pelas técnicas naturais de reprodução, as chances de haver uma alteração cromossômica aumenta consideravelmente nessa faixa etária.

É importante esclarecer que, após a avaliação médica criteriosa a ser realizada, é o especialista que irá apresentar as técnicas ideais para o seu tratamento.⠀

Saiba mais

O impacto do tabagismo na fertilidade

O cigarro produz efeitos danosos no organismo, causando diferentes malefícios à saúde, inclusive na fertilidade de homens e mulheres.
⠀⠀
Segundo a Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), o tabaco é a droga lícita mais consumida na atualidade. Estima-se que até 50% dos homens e quase 1/3 das mulheres, em idade reprodutiva, façam seu uso.⠀⠀
Esse é um número imensamente alto!
⠀⠀
Os prejuízos do cigarro ao sistema reprodutor são causados pelas substâncias tóxicas pelas quais o produto é composto – as mais famosas são a nicotina e o alcatrão. Elas comprometem a função reprodutiva em diversos níveis.⠀ ⠀⠀

Para uma boa fertilidade, é essencial que as mulheres tenham óvulos saudáveis, e os homens espermatozoides em boa quantidade e qualidade.⠀⠀
⠀⠀
O cigarro causa uma acentuada queda na qualidade e diminuição do número. E isso nas mulheres tem um impacto mais severo ainda. ⠀ ⠀⠀

Mulheres fumantes podem entrar na menopausa cerca de dois anos mais cedo. E não para por aí. Pode haver o comprometimento folicular; alteração nas características fisiológicas tubárias; alteração nas taxas hormonais; interferência no processo de produção de gametas; formação de óvulos com alterações genéticas; retardamento da concepção e uma maior dificuldade na implantação do embrião.⠀⠀

⠀⠀
O cigarro é verdadeiramente um vilão para a saúde!

Saiba mais

FIV: ocorrendo a gravidez o pré-natal será diferente?

Os cuidados pré-natal após os tratamentos de fertilização não são muito diferentes dos cuidados de uma gestação natural, a não ser nos três primeiros meses de gestação.⠀

Já do terceiro mês em diante, os cuidados obstétricos são realizados da mesma forma que uma gestação natural. É preciso lembrar que algumas pacientes costumam ter patologias associadas que aumentam as chances de perdas fetais e, por isso, alguns medicamentos continuam durante boa parte da gestação.⠀

Outro ponto a ser destacado é que, a cada dia, aumenta o número de mulheres com idade avançada que realizam estes tratamentos e, nestes casos, há uma maior necessidade de cuidados específicos, para cuidar de possíveis intercorrências como, bebês com baixo peso, prematuridade e malformações, além de haver maior ocorrência de abortamentos, pré-eclâmpsia e diabetes gestacional. Dessa forma, é necessária uma revisão nos cuidados pré-natais das pacientes.⠀

É importante ter consciência de que um pré-natal bem feito e individualizado, tanto da parte médica quanto nutricional, minimiza muito os riscos de complicações.⠀

Saiba mais